quinta-feira, 23 de julho de 2015

QUARTEIRÕES PETROPOLITANOS

 Quando o Major Julio Frederico Koeler levantou a planta urbanística da Imperial Colônia de Petrópolis, dividiu o território em quarteirões, que deu nomes das regiões de origem dos colonos germânicos e de pessoas ilustres que contribuíram para a criação da povoação.
 A Planta foi dividida em 2 vilas centrais próximas ao Palácio Imperial e em 11 quarteirões divididos em lotes para abrigar assim os colonos e suas famílias.
 Segundo a planta de Koeler de 1846, o território petropolitano foi dividido da seguinte forma:

1.    Vila Imperial
2.    Vila Tereza
3.    Bingen
4.    Castelânia
5.    Ingelhein
6.    Mosela
7.    Nassau
8.    Palatinato Superior
9.    Palatinato Inferior
10. Renânia Central
11. Renânia Inferior
12. Siméria
13. Westfália

 Em 1854, dando seguimento ao trabalho do Major Koeler, Otto Reimarus, levantou outra planta acrescentando mais 11 quarteirões:

14. Brasileiro
15. Darmstadt
16. Francês
17. Inglês
18.  Mineiro
19. Presidência
20. Princesa Imperial
21. Renânia Superior
22. Suíço
23. Woerstadt
24.  Worms

Assim podemos observar que Petrópolis é dividida em 22 quarteirões, cuja divisão é vigente até hoje em dia.
 A nomenclatura dos quarteirões foi dada em homenagem aos colonos germânicos para que assim pudessem se sentir em casa, na recente Colônia criada por d. Pedro II.
 Os nomes de origem brasileira foram homenagens aos brasileiros que contribuíram na formação de Petrópolis.
 Já os nomes das duas Vilas: Imperial e Tereza, serviram de homenagem a Família Imperial, assim como o quarteirão Princesa Imperial.  
 A província do Rio de Janeiro também foi homenageada com o Quarteirão Presidência.
 O Quarteirão Mineiro foi uma lembrança ao caminho que passava pela região de Petrópolis rumo as Minas Gerais, estrada que deu inicio a povoação do “Sertão de Serra Acima”.
 Segundo SÁ EARP, dividindo os quarteirões de acordo com a hidrografia local, temos a seguinte disposição dos mesmos:

1.    BACIA DO PALATINATO:  3 quarteirões → Palatinato Superior (região do Morin); Palatinato Inferior (Regiões do Centro, como Rua Souza Franco, parte da Rua Paulo Barbosa, rua Benjamin Constant, UCP...) e Suíço (Floresta, Caxambu e parte da Provisória).
2.    BACIA DO PIABANHA: 8 quarteirões → Woerstadt (Duarte da Silveira e BR – 040); Bingen ( com inicio na Curva do Gióia e terminando no Bairro Castrioto, com parte do Bairro Manoel Torres); Darmstadt (do meio do Bairro Manoel Torres, rua Alice Hêrve, seguintdo em direção a Capela); Ingelheim (Quarteirão Ingelheim, patê do Campo do Serrano, região do Hospital Santa Tereza, seguindo a rua Duque de Caxias até o início da Vila Militar); Mosela (Bairro Mosela, Pedras Brancas e Moinho Preto e parte do Campo do Serrano); Nassau (Avenida Piabanha e Duchas); Westfália (Avenida Barão do Rio Branco até a sede do Corpo de Bombeiros, fazendo divisa do lado direito com a Estrada da Saudade); Brasileiro (Quarteirão Brasileiro, fazendo divisa com a Mosela, no Moinho Preto).
3.    BACIA DO QUITANDINHA: 8 quarteirões → Worms (Quitandinha e Parque São Vicente); Inglês (Alto Independência); Renânia Superior (Dr. Thouzet, Rua Lopes de Castro, Cremerie, Taquara); Renânia Central (da rua Saldanha Marinho, Duas Pontes, na rua Coronel Veiga até a Ponte dos Fones) Renânia Inferior (Duas pontes, seguindo pela rua Washington Luiz, subindo pelo Valparaíso, ruas padre Moreira – Trono de Fátima -,  rua Visconde de Itaboraí, rua Rockfeller, rua Monsenhor Bacelar, rua Barão de Amazonas); Siméria (parte da Ponte do Fones, Bairro Siméria, São Sebastião na divisa com o Sargento Boening); Castelânea (Bairro Castelânea, rua Olavo Bilac , fazendo divisa com o Renânia Central, Sargento Boening até a Chácara Flora); Francês (Rua Ipiranga, fazendo divisa com a Estrada da Saudade).

Agora os as duas vilas e o quarteirão criados em homenagem a Família Imperial:
1.    Vila Imperial → Região do Centro da Cidade,  Praça da Liberdade, Avenida Koeler, Avenida Tiradentes, rua da Imperatriz, Rua do Imperador, rua Paulo Barbosa até a Travessa Prudente Aguiar e
2.    Vila Tereza → Rua Tereza, a partir da entrada da rua 24 de Maio, seguindo em direção ao Alto da Serra, Chacara Flora, Praça dos Ferroviários até o início da Estrada Normal da Estrela, a “Serra Velha”.
3.    Princesa Imperial → Rua Fonseca Ramos, Estrada da Saudade, descendo a rua Quissamã, Itamarati e Cascatinha.

 Os quarteirões ainda existem em Petrópolis, o problemas é que foram esquecidos pelos petropolitanos, porém para ser fazer qualquer transação imobiliária, é necessário saber o quarteirão da residência ou do terreno, pois na Companhia Imobiliaria Petropolitana, a cidade é dividida pelos seus respectivos quarteirões e prazos.

 Planta do Major Julio Frederico Koeler do ano de 1846



Planta de Otto Reimarus, de 1854.



Referência bibliográficas:

SÁ EARP, Arthur Leonardo. Os Quarteirões. In http://www.ihp.org.br/site/ Acesso em 21/07/2014

PETROTUR. Planta de Petrópolis, publicada em 1995.



4 comentários:

  1. Fico muito orguhoso em poder ler esta postagem... Eu sou neto de Noemia Kebbel que se casou com arthur Bernardes Vieira ( de minas gerais )...certamente Arthur se fixou no quarteirão mineiro e minha avó nasceu no quarteirão mosela...atualmente moro em mosela, bairro Pedras Brancas e sou natural daqui..mas infelizmnte minha família : mãe, tias e primos não carregam o sobre nome Kebbel..é meu grande desejo regatar este nome Alemão que pelas minha pesquizas são de origens d euma família formulada por Alemães, Franceses e Russos. Não constada junto com os alemães daqui ..por enquanto não encontrei nenhum dado que conste os Kebbel junto ás famílias alemãs d Petrópolis..mas preciso descobrir. Não vou desistir..vou descobrir como meu bisavô veio parar aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Eu faço todas as minhas pesquisas referentes a genealogia no site do familysearch da uma olhada voce deve encontrar alguma coisa

      Excluir
  2. Preciso descobrir se João Augusto Kebbel, pai de minha avó materna, Noemia Kebbel, veio junto com os colonos alemães tradicionais de Petrópolis. Se alguém neste blog puder me dar uma mãozinha, serei muito grato.

    ResponderExcluir
  3. Frederico eu não tenho palavras que possam ser utilizadas para agradece lo por tamanho carinho em dispor de tempo e nos presentear com suas pesquisas.

    ResponderExcluir